top of page
  • Foto do escritorAna Sou

Como morre uma libelinha?


Como morre uma libelinha?


Efetivamente não Te sei morta ou viva, sei-Te Vida.

Sei que Te vi ontem onde hoje estás, de asas estendidas em livro, leque de esperança e magia a convidar a ler para além dos véus.


Sinto-Te em mim como Rainha dos Senhores do Tempo a trazer convites ao Acreditar, honrando todos os ciclos da vida, deixando morrer o que já não assiste a voar.

A tua Presença trouxe-me lágrima e nela todo o arco-íris ganha forma, todos os códigos se assumem oceano.

Assim Eu.

Com a tua Morte já transcendeste os véus da Ilusão, já estás imersa nos Segredos da Magia, da Criação e CoCriação Divina.

Com a tua Presença em Corpo Memória mostras-me que me cabe SEntiR Divino em Corpo sem estar presa às ilusões da mente e das emoções, vibrando Inocência Divina em todas as decisões.


Ver a Tua Morte É ver Sagrado, ir além do dissipar do véu, ser aurora de uma nova realidade... Viver-Me em Sagrado, ou seja, viver no Ser com agrado.

Não será essa a fusão?

O Ser assim na Terra como no Céu

Assim Dentro como Fora?


Como morre uma Libelinha?

De asas abertas, como viveu, a espalhar magia.


Ana Sou

17 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

Comentarios


bottom of page