Foto de Marina Abrosimova no Pexels

Os relacionamentos - Almas Gémeas ou Chama gémea? Como reconhecer, permitir, viver?

Um dos temas que mais desafio traz ao Ser Humano está relacionado com os relacionamentos e é também um dos temas em que mais me procuram para conselho e esclarecimento.
Todos nós somos afetados por este tema, uma vez que é nesta área que mais aprendizagens e "sofrimento" temos, até porque é onde nos permitimos abrir ao outro, fragilizamos e nem sempre recebemos o que conscientemente esperamos.
Primeiro há que ter consciência de que ninguém nos faz nada. Tudo o que nos acontece resulta da energia que estamos a emanar, das lições que escolhemos aprender e das memórias que trazemos de outras vidas relativas ao assunto em causa e que pedem para ser reconhecidas e integradas.
Quando nos apaixonamos, sentimos que voamos, que tudo é belo porque encontramos alguém que, pensamos nós, nos alivia dos nossos sofrimentos e nos dá alegria e Amor.
Ora, este estado, quando trazido por outros, dura muito pouco e em breve começam os julgamentos, as exigências, os sentimentos de culpa, as discussões e o jogo entre vítima e agressor. Não interessa quem faz ou diz o quê, ambos são afetados e vêem a sua energia ser drenada, esvaída e começa o impulso de proteção/ataque, o sentimento de fuga que leva a que tantos relacionamentos terminem ou se afundem em energias tumultuosas e até viciantes.
É certo que saibamos estabelecer os nossos limites, que reconheçamos até onde nos permitimos ir numa relação e que circunstâncias aceitamos continuar a viver ou não. Aqui importa permitir que o coração nos guie e que este seja iluminado pelo nosso Amor próprio e pela nossa consciência, para que possamos decidir no alinhamento de todas as nossas energias.
Quantas e quantas vezes, é necessário colocar um final para que um novo começo se anuncie, com separação ou não, pois a vida é feita de inícios, fins e lutos que ocorrem muito mais frequentemente do que nos permitimos conscientemente aceitar.

Muitas vezes me perguntam se esta ou aquela pessoa é "a minha Alma Gémea" e aqui quero dizer-vos, que ao nível da Alma Todos o Somos apesar de com uns termos escolhido viver em maior unicidade e proximidade do que com outros, nesta experiência de vida. Já o conceito de "Chama Gémea" é muito diferente e também muito mais raro de encontrar numa determinada expressão de vida, o que não significa que não possa acontecer.
Chama Gémea é a parte que se separou de nós quando fizemos a nossa divisão entre corpo feminino e masculino, uma vez que no início éramos um Ser Uno com todas as energias em igual preponderância. Pelo menos é assim que me foi dado recordar (sendo que a minha separação e criação de dois seres completares ocorreu na Lemúria).
Acontece que a nossa experiência da criatividade e da aprendizagem, que nos vai conduzir à consciência integrada do Eu Divino, visa este encontro que pode levar várias encarnações a acontecer ou até acontecer em várias, exigindo do ser um grande grau de maturidade e aprendizagem. Quero com isto dizer que o relacionamento de "Chama Gémea" não é isento de conflitos, muito pelo contrário. Após o reconhecimento, começa um lapidar profundo, com muitos desafios e sofrimentos que levam a um grande crescimento, Iluminação e Amor. Lembrem-se que na rosa antes do botão e do aroma estão os espinhos e que quando a flor murcha o caule e os espinhos permanecem para dar origem a um novo botão. Assim nós, assim o Amor e a vivência do Uno até que um dia sejamos o Todo Integrado novamente em compaixão e sem condições.

Agora, e porque esta exposição já vai longa, vou-vos deixar um exercício simples que vos vai permitir encontrar e viver o relacionamento com o vosso complemento Divino.
Sempre que o fizerem abstenham-se de nomear, permitam que seja o Universo a trazer-vos ou a manter convosco, num grau de maior proximidade, respeito e Amor quem já atraíram.
Assim, comecem por escrever numa folha quais as características que mais apreciam numa pessoa e que desejam na vossa relação e, noutra coluna, o que prescindem. É importante conhecermos os nossos limites para estarmos certos do que queremos. De seguida, agradeçam ao Universo a presença nas vossas vidas daquel@ que está alinhado convosco em Corpo, Coração, Mente e Espírito e abram o vosso coração ao Amor.
Lembrem-se de começar por vos Amar a vós próprios e sejam receptivos ao que o universo vos der enquanto respeitam o equilíbrio entre o dar e o receber.
Sejam Felizes, Amem e permitam-se ser Amados, pois MERECEM! 

Em Amor,

Ana Sou