top of page
  • Foto do escritorAna Sou

O Caminho do Mártir ou a Dignificação da Dor

O Caminho do Mártir ou a Dignificação da Dor


Na expressão de se ser humano, há padrões vibracionais e relacionais intensos, que nos levam a um lapidar profundo, assim haja consciência e determinação da descoberta de si próprio.

Um destes padrões é o de Mártir.

Frequentemente, quem exibe em si, ainda que inconscientemente, este padrão, é alguém que experimentou vidas e vidas passadas de reclusão, de eremitério por amor à Deusa, de auto-punição e auto-flagelação como forma de pagar por todos os pecados, que foi guerreiro com sentido de serviço para com a Luz, imolado vivo ou condenado por professar ideologias diferentes ou servir à Deusa (relembro que quando digo Deusa incluo tanto a reverência ao Sagrado Feminino quanto ao Sagrado masculino, Deusa tem Deus em si).


Lembremo-nos que a Humanidade, no seu caminhar, passou pela experiência do esquecimento e da queda da Graça, que mais não significa que a falta de Amor próprio e reconhecimento da Divindade em nós, a que nos votámos durante séculos, ou mais concretamente, desde à 5000 anos, quando se deu a destruição dos Templos à Deusa, quando se perdeu a conexão com a sabedoria ancestral e o Mundo natural. Desde então, temos vivido um equilíbrio precário entre Amor e Medo e por muitos séculos associou-se o castigo e a auto-punição como um meio de purificação e até de poder submisso.


Quem se castiga, interiormente, sente-se mais puro, mais merecedor, sente-se um Escolhido, por ser capaz de o fazer. Considera, ilusoriamente, que como Jesus foi Mártir também tem de o ser.

Nada pode estar mais longe da verdade e do Amor Incondicional.

Muitos consideraram, e interiormente a um nível dimensional profundo, ainda consideram, que fomos criados por um Deus castigador e severo, que incorremos facilmente em pecado e que, por isso, seremos julgados.

Lembro que Jesus Cristo não julgou e entregou-se à cruz para que percebêssemos que está em nós o abraçar da nossa sombra, o acolher da experiência e da aprendizagem, para que possamos renascer em vida mais conscientes e crísticos.

Foi tudo menos Mártir.

Sei que foi muito difícil para quem com Ele privou, como eu, aceitar a sua entrega e partida. Ficou uma ferida que levou muitas vidas a sarar, e que ainda ressurge nesta vida, para que a possamos curar, com a consciência da Era em que vivemos.


A ressurreição é a capacidade que todos temos de passar pela face escura da Vida, pelo Abismo, pela noite escura da Alma, e sermos capazes de ressurgir em Amor e Luz, mais conscientes e fortificados, em Perdão e Consciência da Aceitação, que tudo o que vivemos, fizemos e nos fizeram foi de acordo com o Bem Maior e nosso Propósito de vida Divino.


Quando o Mártir conseguir sentir em si o Amor Incondicional, irá perceber que o sofrimento não é uma escada para nada e muito menos uma bandeira a exibir com orgulho. Quem se martiriza, quem escolhe o caminho do sofrimento, impede a sua Alma de se expressar, impede a energia Crística de se manifestar através da sua Luz própria e tende a entrar em negação, pois intimamente, continua a considerar-se mais espiritualizado que outros.


Cuidado! Todos caímos nesta armadilha, de tempos a tempos.

Sejamos capazes de enfrentar o nosso ego, sejamos capazes de identificar a energia padrão e permitamo-nos Ser o Amor, permitamo-nos visitar a memória, integrá-la, perdoá-la e dispensá-la das nossas vidas.


O Caminho do Mártir não nos serve mais nem é o nosso Propósito de Vida nesta Era de ReConhecimento da Divindade em nós!

Saibamos Sentir, Saibamos Ser, Saibamos Perdoar, Saibamos Amar!

0 visualização

Posts recentes

Ver tudo

Existir ...

bottom of page