top of page
  • Foto do escritorAna Sou

O caminho da Aceitação e da Consciência

O caminho da Aceitação e da Consciência – a prática da Desilusão – o Ser


Todos passamos por momentos de intensa dor, de sermos reduzidos a cinzas ainda em vida, de chorarmos até ao tutano…


No fim-de-semana passado, estava eu a passar por um período destes, quando recebi uma mensagem de desabafo e de pedido de auxílio. Em sintonia com o meu propósito de Vida, respondi como intui. Tudo surge no momento certo para nos auxiliar a fazer a viagem de introspecção.


Habitualmente, não desabafo com ninguém os meus desafios e não o faço porque acredito que falar deles é dar-lhes força e porque me entrego às emoções em profundidade, aceitando o que vem e que no momento certo irei compreender a lição e perceber como me elevar da situação e só posso fazê-lo quando, mesmo em meio à dor, me recolho para meditar e peço que me seja retirado o Ego, a resistência, a dor e o drama para que que possa aceder e ver as coisas pela perspectiva da Alma… é a minha maneira de ser e estar. Cada um tem a sua. Eu recolho.


No sábado passado, a Mensagem da Alma que agora vos vou transmitir veio assim que pousei o telemóvel, através do qual tinha respondido a quem me procurou e escrevi-a, em rajada, no meu Diário de Sonhos, que era o que tinha mais à mão.


Vou transcrevê-la como a recebi …


“O caminho da aceitação e da consciência é um caminho de amor-próprio e reconhecimento da Divindade em nós.

Acontece que este reconhecimento é válido tanto para o “Eu” como para o “Tu”, até porque energética e multidimensionalmente não existe um “Tu”, todos Somos Uno e reflexo uns dos outros.


É muito comum ouvir dizer (eu ouço-o frequentemente em atendimentos e terapias) “Eu encetei o caminho, ascendi vibracionalmente e agora não permito desrespeito de ordem alguma".

Tal afirmação é puramente baseada na formatação 3D. Só o Ego, o Medo e a Ilusão é que “não permitem” o que quer que seja.


Para a Alma tal conceito não existe.

A Alma é consciência, compaixão, aceitação e Amor.

Para a Alma não há ofensas, nem “fizeste isto ou aquilo como tal afasto-me”. Tal não é possível.

Como é que te podes afastar do que em verdade És, do Uno?


É importante reconhecermos o nosso Amor-próprio e agirmos assertivamente nesse sentido mas também é importante, quando os desafios e os conflitos surgem, percebermos qual a mensagem que a nossa Alma tem para nos dar nessa situação e agir em conformidade.


Sempre que nos sentimos humilhados, maltratados ou até que já nem estamos a reflectir pelo que não temos de estar ali, é importante meditarmos, elevarmo-nos e encararmos as situações pela perspectiva da Alma. Só Ela sabe o que É para nós.


A máxima que agora tanto se defende “Honrares-te é afastares-te e colocares um ponto final” nem sempre é assertiva ou verdadeira.

Não recorramos à bandeira do “amor-próprio” como uma fuga para as aprendizagens que escolhemos ter e viver, para o que escolhemos ser.

Lembra-te: quando o “Eu” ou o “Tu” agem há sempre escolhas e consequências.


Não existe culpa mas existe responsabilidade e o verdadeiro Mestre, aquele que ascendeu em consciência, não se deixa perturbar pela atitude do outro nem necessita de se afastar para se honrar. Fica e com esse ficar irradia Amor Incondicional e Crístico desde o seu coração, cura a si próprio, cura a situação, cura o Outro e eleva o Todo.”


Acreditem: tenho sido testada “até ao tutano” para ser capaz de colocar esta Mensagem em prática. Não é fácil. Nunca é. Mas este é o verdadeiro caminho do Amor-próprio, quando abraças todas as experiências, todas as dores, aceitas a forma como elas se apresentam na tua vida, não culpando os outros, a ti próprio ou até Deus pelo teu sofrimento e consegues manter a tua vibração no Amor, na consciência e na compaixão.


Quando em verdade ascendes em vibração deixas de encarar as experiências como positivas ou negativas, desiludes-te, ou seja, deixas de te deixar dominar por conceitos, expectativas ou formatações e simplesmente ÉS.

No Amor-próprio não há lugar a “devias”, “fizeram-me” ou “tenho de”.

No Amor-próprio É-Se(r)!


Ana Sou

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page